sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Hanson Day - parte 3 - Aproveitando tudo até o fim

Não tenho intenção de te assustar, mas preciso contar que ao sair da Dance Party na madrugada de sexta para sábado, já se viam barracas de camping formando fila em frente ao Brady Theater para o show de sábado à noite. Fazia um frio absurdo para o padrão carioca e eu não consigo me imaginar fazendo uma loucura daquelas. Cheguei ao hotel de volta da festa morta de cansada e tudo o que eu queria era dormir, porque deveria estar de pé às 07h da manhã para me aprontar pro boliche. 

*21/05/2016 - Sábado

Boliche

Acordei me sentindo the walking dead de ressaca. Uma das minhas roomies tinha cabado de voltar da fila do show, revezando com outras amigas. Eu acabei entrando numa escala que não sabia que existia. Fomos então para o bendito boliche me juntar ao grupo que o hnet tinha montado de forma totalmente aleatória. Nosso placar estava longe de ser uma coisa bonita, jogamos mal à beça. Apesar de eu gostar muito de boliche (o que não é como dizer que eu jogo bem), eu estava de ressaca e fui ali na possibilidade de ver Zac mais um pouquinho. Terminamos nossa partida e ainda faltavam 2 horas pra entrega de troféus, quando ele de fato apareceria. Daí, soube que seria minha vez de ficar na fila do State of the Band/show. Que legal! Resumindo, nem a premiação eu vi.

Fotos: Instagram @alelubets


Filas / State of the Band

Se tem um dia que você passa mais tempo em filas, é o dia do show. Meu pequeno grupo ficou por lá de meio-dia até o horário em que abririam os portões pro State of the Band. Nesse momento, eles contam os planos futuros e mostram os vencedores do MOEY Awards, exibindo o vídeo e entregando troféus. Não fosse pela parte dos planos da banda, é uma atividade facilmente dispensável. A premiação do MOEY é muito entediante se você não estiver concorrendo ou não tiver uma amiga com chances de ganhar o troféu de macaquinho feito artesanalmente por Zacarias. Assim como o show, o SOTB é um evento gratuito e exclusivo pra membros do fã clube.

Foto: Instagram @alelubets


Show

Conseguimos manter nossa ordem na fila para o show assim como foi para o SOTB graças à uma amiga desapegada que decidiu não assistir a atividade anterior e garantir nosso bom lugar. Eu nunca tinha assistido Hanson em turnê pelo Brasil, então aquele seria meu primeiro show e eu consegui ficar no BEM no centro do palco na primeira fila. Nada mais maravilhoso pra uma Zac girl

Fotos: Instagram @alelubets


O palco era tão baixinho que por vezes eu tive que tirar a mão pro Taylor, naquela empolgação de regente de coral gospel de black music, não pisasse nos meus dedos. Estávamos participando da gravação do EP Play, aprendendo as músicas do zero e ouvindo também as músicas do EP Loud ao vivo pela primeira vez. Estas foram mais fáceis de acompanhar devido aos stream no hnet mostrando o making of, mas as músicas do Play, só mesmo a paciência admirável do Taylor pra ensinar as partes que eles precisavam registrar com a nossa voz. 
Obs.: Normalmente, eu não tenho deslumbramento pelo Taylor mas quando ele está no palco, eu paro pra admirar a paixão que ele tem pela música e a alegria em ver a resposta do público cantando junto. É uma graça! Durante o show (exibido uma semana depois no hnet), me achei no meio do povo por várias vezes com cara de besta olhando o que ele fazia. Não por ser um unicórnio-ser-de-luz, mas por essa paixão dele que é contagiante.

Foto: Instagram desconhecido (não lembro)
Isaac não trocava olhares com ninguém e achei muito interessante vindo de um guitarrista. Porque ô, raça danada! Super respeitoso e só se empolgava mesmo nos solos que nem sempre terminavam bem, mas a gente ama assim mesmo. Inclusive quando Zac trocava a letra das músicas, que é algo que já estou mega acostumada a essa altura. Não quis tirar fotos o tempo todo. Motivo 1: sou péssima fotógrafa. Queria mesmo aproveitar aquela front row, ainda que constrangida por não saber todas as letras e boiar às vezes bem ali na cara deles. Taylor não aprova!


Já cansei de tentar aprender tudo e entrei no grau de rebeldia de aprender o que eu quiser. Já foi tempo que eu parava pra ler encarte pra aprender tudinho. Não tenho mais tempo pra isso. Se nem eles lembram de tudo...
Registrei o momento que cantaram Siren Call. Essa era a minha música queridinha do EP novo. Música de bad, música deprê, mas queridinha. Sem ar depois de tanta bateção de cabelo, meu amor!



*22/05/2016 - Domingo

Depois de um sábado exaustivo e prazeroso, acordar no domingo pensando em arrumar minhas malas já dava certa tristeza. O Hanson Day propriamente dito tinha acabado, mas ainda tinha o Hop Jam naquele domingo com sol de rachar. Dei um pulo da cama quando vi a primeira selfie do dia com um dos irmãos já trabalhando pelas ruas.
Os ingressos para o festival não são comprados no Hanson.net, mas em um site próprio do evento, onde você pode escolher entre vários pacotes. Apenas para a degustação de cerveja, o valor era $35 mas se você quiser entrar na área restrita com duas horas de antecedência (menos fãs circulando, selfies free, irmãos Hanson menos cansados) e alimentação e bebidas não alcoólicas liberadas o dia inteiro em um restaurante digno (e não um bandejão meia-boca de camarote da Bahia), compre o ingresso VIP. Te dá acesso a tudo isso que falei, mais palestras sobre cerveja com Taylor presente. Não gosta de cerveja? E daí? É o Taylor. Vai lá admirar a existência dele no mundo.

No horário liberado para os ingressos mais baratos, a rua começa a encher e se torna mais difícil falar com eles e até dar uma bebericada em uma das cervejas na tenda Hanson Brothers Beer. Não são as melhores do festival, mas tem sempre um deles servindo a galera, então a fila é maior em comparação com as tendas de outras cervejarias.



Mesmo não sendo super fã de cerveja e nem tendo costume de beber, experimentei de várias tendas e cheguei no fim do dia super bem. A quantidade servida é realmente para degustação e não pra te embebedar, o que me fez voltar várias vezes na tenda que servia cerveja de melão que era maravilhosa.

1. Inland Porter, a única das 5 cervejas deles que experimentei; 2. Cerveja de melão.


Fotos

Domingo é o dia oficial para selfies, guarda isso no coração. Parece que virou hábito do evento e tudo o que você ouve nos dias que antecedem ao Hop Jam é: domingo você tira sua selfie. Agora, depois de tê-los visto algumas vezes fico incrivelmente mais tranquila em relação a tirar fotos. Naquela ocasião, ainda que parecesse calma, o coração estava quase saindo pela boca. Não gosto de sentir que estou incomodando e não gosto de me aglomerar em volta esperando só pra pedir uma foto. Como disse no post anterior, troco mil selfies por uma conversa. Prefiro guardar esses momentos comigo... Mas entendo que isso é pessoal. Quanta gente gosta de tirar mil selfies até sozinha, né não?
Parei perto do 3CG quando a rua ainda tinha pouca gente circulando. Tinha acabado de ver Zac entrando no estúdio e fiquei ali parada com cara de nem ligo. Nesse momento, eu estava sozinha, pois as amigas tinham ido almoçar. Quando ele saiu, eu respirei e fui. Ele aparentava ocupado e eu estava quase pedindo desculpa (tenho essa mania) por incomodar. Não daria pra engatar uma conversa ali,  ao menos ele não se importou em parar pra uma foto. 

Fotos: Instagram @alelubets; Twitter @TheHopJam

Chateadíssima com esse boné, quero deixar registrado. mas feliz porque minutos depois da foto, teve RT no twitter do Hop Jam. Ahhh! Que besteira.
Obs.: Lembrei de tocar a tela de bloqueio do meu celular antes dessa viagem. No tempinho que parei pra desbloquear e tirar a foto, ele ficou olhando a tela e me admirei de não tomar o telefone da minha mão pra ele mesmo tirar a foto. Acho bem creepy se ele tivesse visto a própria face congelada na minha tela bloqueada. Às vezes, só às vezes, gosto de parecer normal e equilibrada. Essa era uma oportunidade boa pra isso e uma foto minha com o marido é menos coisa de psicopata.
Preciso contar que mais tarde, fora da área restrita, com a rua lotada de homens barbados mais parecendo um encontro de motoclube, encontramos Zac andando na rua rindo de longe pra gente e cumprimentando quando passou mais perto. Só queria deixar isso aqui! Obrigada.

Me dei por satisfeita e não fazia questão de sair pelas ruas caçando os outros irmãos pra tirar foto também. Eis que eu paro na esquina procurando sinal de wifi, sozinha de novo, checando as redes sociais até que ouço a voz de Isaac bem pertinho. Era ele mesmo parado meio metro à minha frente, esperando o rapaz da tenda pra conferir alguma coisa. Parecia ocupado também e eu não queria pedir nada. Pensei: se Deus quiser, ele vai demorar um pouco mais e eu vou entender isso como um sinal. Depois pensei: que pescoço bonito! E por último, pensei: tá, se alguém pedir foto com ele, eu peço em seguida, como outro sinal divino. Todos os sinais dos céus, eu parei de frescura e pedi logo a foto. Não antes de elogiá-lo pela palestra maravilhosa e agradecer por me receber tão bem na cidade dele, que eu tinha adorado tudo, etc. Ele me deu mega atenção e quem ficou esperando por ele foi o cara da tenda dessa vez. Que-ri-do! 

Foto: Instagram @alelubets
Não vi Taylor pelas ruas por horas e estava com fome de novo, dois motivos pra não procurá-lo. Até então só tinha visto Natalie e Kate gravidinha da Lulu zanzando por lá. As irmãs e os pais deles você vai ver praticamente todos os dias porque trabalham diretamente no evento. Todos extremamente educados e simpáticos. 
Depois de degustar praticamente de todas as tendas e andar kilômetros no vai e vem da mesma rua, precisava de açúcar na minha vida. Paramos na Antoinette Bakery pra comer uma daquelas tortas mara. Inclusive, eles fazem uma torta especial pro dia do Hop Jam, assim como a Glacier Confection que tem bombons especiais pra esse dia.

Hora de voltar pro hotel e terminar de arrumar as coisas.

Cuidado com a loja!!!

Jornais de segunda-feira falando sobre o Hop Jam

Até logo, Tulsa!
Foram dias incríveis, fiz amizades muito especiais e aprendi a me virar sozinha falando outra língua. Me senti realizada por ter tido essa insistência de me colocar à prova com tanta coisa desconhecida. Significou muito pra mim e espero que te ajude e encoraje, não somente pra ir a um evento Hanson, mas pra encarar uma novidade que te dá friozinho na barriga. No fim das contas, quem sai ganhando é você.

Em breve, post sobre BTTI 2017 e minhas experiências na Jamaica.

3 comentários:

  1. ''Não gosta de cerveja? E daí? É o Taylor.'' ... Tu escreve exatamente as coisas que vieram a minha mente segundos antes haha

    ResponderExcluir
  2. Se quiser beber, ótimo. Se não quiser, só aprecie a vista!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita!!!